quarta-feira, 4 de novembro de 2009

Virgindade do olhar

Quando pensamos em virgindade estamos a remeter-nos para o que não está explorado ou é desconhecido. E o que é virgem está ligado ao que é puro, sem qualquer artíficio à mistura.

Mas a virgindade do olhar tem alguma coisa a ver com isto?

O olhar pode transmitir muito daquilo que é uma pessoa no seu interior. Um olhar em tons de azul, verde ou castanho pode muito bem transmitir sensações bastante distintas e varia de pessoa para pessoa. Virgens ou não. A virgindade do olhar, para quem a conseguir mostrar, pode ser o passo decisivo para convencer o alvo da nossa investida.

Um olhar virgem é aquele em que os olhos são meigos, as sobrancelhas não ficam franzidas e a testa não fica enrrugada. Olhos nos olhos consegue perceber-se que é um olhar sincero. Mas a virgindade do olhar pode ser ou não. É um fingimento!

A virgindade que eu quero no olhar escreve-se em tons de verde.

4 comentários:

Anónimo disse...

(primeira parte da promessa cumprida!) Um olhar virgem é aquele que constantemente vê nas coisas mais banais, de todos os dias, a novidade de ser visto num dia diferente. Um olhar virgem é o que se encontra nos olhos daqueles que nos ajudam à renovação diária, não fingida. Um olhar virgem é a predisposição sensorial para absorver cada sinal de vida. Porque somos diferentes todos os dias com toda a gente.

Bruno Marques disse...

Qual é a segunda parte que falta cumprir?

Anónimo disse...

A da perda dela...

Pedro Reis Sá disse...

"escreve-se em tons de verde" é lindo... gostei do texto meu caro.
Agora o que se tem que perder ou não isso já me ultrapassa. Ela, a virgindade, que se mantenha por muito tempo... em verde como a mensagem dos olhos azuis a reflectirem no tapete verde de Alvalade!