sábado, 3 de abril de 2010

Teoria número três

Perguntam vocês: será que podíamos viver sem as teorias do Bruno? Podiam. Mas não era a mesma coisa. Era melhor para vocês. Certamente. Pois bem, feito este ponto prévio, quero confessar-vos que tenho mais uma teoria. A terceira. Antes de começar a escrever fui pesquisar um pouco sobre o tema e ainda consultei um dicionário para ter uma definição concreta.

Ora, fiquei a saber que o tema desta minha teoria tem origem no grego tele, que significa distância, e phateia, que significa sentir ou sentimento, sendo por isso definida como a habilidade de adquirir informação acerca dos pensamentos, sentimentos ou actividades de outra pessoa, sem o uso de ferramentas tais como a linguagem corporal ou sinais. No dicionário, a definição concreta é: “s.f. 1. Misteriosa previsão de sucessos futuros; 2. Visão do que se passa longe; 3. Transmissão do pensamento de uma pessoa a outra que está muito distante.”.

Posto isto, afirmo com todas as letras que eu acredito em telepatia. Acredito que conseguimos transmitir pensamentos a uma outra pessoa por muito distante que possa estar. No entanto, a minha teoria é que nem todas as pessoas conseguem fazer uso da telepatia. Isto porque é preciso que tenham algo em comum, algo forte que permita a criação de uma ligação para a troca de pensamentos. É preciso conhecer bem a pessoa a quem se quer transmitir algo e ao mesmo tempo é necessário que ambos estejam receptivos. É preciso crença, é preciso acreditar que a telepatia funciona. Sem isso, nada feito.

Já aconteceu comigo diversas vezes a telepatia funcionar. Na maior parte delas sem que tenha realizado um esforço consciente para que tal sucedesse. Isto é, aconteceu naturalmente. Do género, estar a pensar em alguém e esse alguém ligar para o telemóvel nesse exacto momento. Ou ter uma qualquer música na cabeça e sem mais nem porquê começar alguém a cantá-la ou a sugerir a sua audição. Mas a minha teoria é que a telepatia funciona quer de forma natural, quer de forma mais ou menos premeditada.

A telepatia existe para as pessoas se comunicarem no silêncio. Para transmitir aquilo que queremos ou pura e simplesmente para que alguém se lembre de nós. Independentemente da distância ou das interferências que possam existir. Basta um esforço, convicção e a mesma sintonia para que a telepatia funcione. Façam o teste e comprovem (ou não!) esta minha teoria.

5 comentários:

.J. disse...

Teoria numero 3 pode passar a principio e deixar de ser teoria!! Eu acredito e ate tenho, tal como tu, um par de experiencias que me comprovaram tal...Bjs

disse...

Desta vez concoro contigo Bruno, plenamente:) À terceira é de vez :)

Situações como as que descreveste também já me aconteceram...mas gosto mais da telepatia entra 2 pessoas que estão no mesmo espaço e que não precisam de falar para q a outra a perceba...Nem sei se isto se pode dizer telepatia, já que o espaço físico é o mesmo,mas o que quer q seja é muito bom :)

patrícia disse...

Gosto desta tua terceira teoria, a melhor até agora. Concordo com ela inteiramente... nos últimos tempos tenho "sofrido" de todos estes sintomas. LoL ... :P
**

Pedro Reis Sá disse...

Vou continuar a exprimentar as teorias do senhor Bruno!

Bruno Marques disse...

:D fazes bem. Nunca custa tentar...:P