sexta-feira, 26 de junho de 2009

Desafio

Já que estamos numa de desafios (ver texto sobre a paixão e a psicóloga), fica aqui mais um.

Acham que é possível alguém interessar-se por uma pessoa por aquilo que ela escreve sem sequer a conhecer. Ou seja, podemos ficar a gostar de alguém pelo gosto que desenvolvemos pela sua escrita.

Outra coisa é: será que é possível conhecermos bem uma pessoa por aquilo que ela escreve, sem termos sequer um "contacto" físico in loco?.

A escrita revela um pouco ou muito daquilo que somos?

20 comentários:

Je disse...

Acho que e possivel sim. Ate porque o atractivo de "leres" alguem e gostares e que podes fantasiar sobre o seu aspecto fisico...
Quando ao conhecer bem... ai ja e mais complicado...Porque mesmo "conhecendo" fisicamente nunca chegas a conehcer nao?
Dependendo do tipo da escrita, mas sempre revela algo do que somos :P

Ni and Li disse...

é possivel ficar com algum interesse por alguem so pela sua escrita..mas nao é possivel conhece-la bem apenas dessa forma..ate porque muitas vezes a escrita é usada para se ser uma pessoa que nao se tem "coragem" de ser no dia a dia..assim, a pessoa que conhecemos pela escrita e a pessoa que conhecemos pessoalmente raramente coincidem..

Ni and Li disse...

Concordo ctg paixão, de facto, ao nos identificarmos com a maneira de alguém escrever, pensar e até mesmo expor as suas ideias é sinal que se tem algo em comum, que agrada. Mas daí até se conhecer bem essa pessoa creio que não.
Caso fosse como explicaríamos então quando pensamos que conhecemos alguém muito bem e somos surpreendidos com algo positivo ou negativo? Creio que o conhecimento "total" das pessoas é uma utopia.

A escrita permite sim, revelar e/ou realçar facetas do que somos e/ou gostaríamos de ser... Cabe assim a cada leitor interpretar se quem escreve está a desempenhar um papel ou a expor-se sem defesas aparentes.

...

Bruno Marques disse...

Muito bem. Estou a gostar das opiniões que por acaso vão de encontro àquilo que penso...:D

Pedro Reis Sá disse...

Muitas vezes a escrita não reflecte o estado de espírito. Outras vezes a ficção apodera-se do texto, mas quando se é genuíno e o texto bem escrito, aí dá para conhecer um pouco mais a pessoa

Em suma, concordo com vocês. :)

Ni and Li disse...

Já agora Bruno, paixão somos as duas... :p uma da outra!...

Anónimo disse...

Não querendo demorar muito :) penso que a escrita revela algo do que somos.Aliás, sigo o trabalho de algumas pessoas porque acho que isso me ajuda a conhecê-las melhor, o que é diferente de conhecer bem essas pessoas. Quando gosto do que leio, não fico indiferente ao seu autor. Se gostamos do que lemos, queremos ler mais!
Questões pertinentes, sem dúvida! E tu, ficaste interessado no que escrevi? Ficaste a conhecer-me? ;)

Bruno Marques disse...

Fiquei interessado no que escreveste. Sem dúvida. Concordo com a parte do "quando gosto do que leio, não fico indiferente ao seu autor". Por isso, definitivamente não fiquei indiferente. E não fiquei a conhecer-te também...:D

Bruno Marques disse...

...é verdade, Ni and Li,

Tratarem-se por paixão é giro... E serem a paixão uma da outra também...:)

Angelo Sá disse...

Lá está o Bruno a lançar charme :).
Acho que a escrita pode dizer algo, se temos capacidade de expressão, um pouco dos nossos pensamentos e da nossa sabedoria, mas claro que nada melhor do que a realidade o contacto fisico para ai sim conhecermos realmente alguem.

Anónimo disse...

Já que não ficaste indiferente ao que escrevi e indo ao encontro do teu desafio, lembrei-me de uma coisa: imagina que nem tu nem o outro colaborador deste blog assinam o que escrevem. Será que nós conseguiriamos identificar quem escreveu o quê? Penso que sim, saberiamos identificar quem escreveu o quê porque é possível conhecer uma pessoa pelo que escreve. Pelo menos tinhamos 50% de hipóteses de acertar!! ;)

Bruno Marques disse...

Não tenho qualquer dúvida que vocês conseguiam distingir sem grande dificuldade os textos de um e de outro. E as hipóteses de acertaram também seriam maiores do que 50%...:)

Anónimo disse...

Mas porque é que achas isso? Explica-me e depois também explicarei como tentaria descobrir quem escreveu o quê, se quiseres, claro! Mas olha que a probabilidade mantém-se, 50%, um caso favorável e dois casos possíveis. Matemática é Matemática. Talvez por isso nunca senti fascínio por ela! Quem diria! bjs ;)

Bruno Marques disse...

A minha escrita e a do Pedro são diferentes. Sou mais objectivo enquanto o Pedro gosta mais de grandes floreados. Daí eu dizer que é fácil distinguir. Mas quem sou eu...para contrariar quem quer que seja...;)

Anónimo disse...

:)Personalidades diferentes, estilos diferentes! Formas de estar,de sentir e exteriorizar diferentes! Penso que quando escreves não tens um receptor específico, ao contrário do Pedro. Mas não lhe chames floreados!! Tu talvez sejas um jardineiro citadino e o Pedro um jardineiro campestre!! Mas quem sou eu para achar o que quer que seja? Fim do desafio. Não demoro mais. Continuem rapazes! :)

Pedro Reis Sá disse...

Na mente posso ter alguém. Na escrita também mas daí a ser "jardineiro campestre" julgo que vai uma diferença substancial.
É certo que não sou tão directo como o Bruno, talvez seja mais complexo na escrita. Personalidades e vivências diferentes.
Gosto muito da escrita do Bruno e a minha deve "dar gosto" tentar entender ou quem sabe chegar ao cerne da questão.

Anónimo disse...

Bruno, se por acaso não conseguires chegar ao cerne do meu comentário, o que não creio, expressar-me-ei melhor por outra via. Admiro-te.

Bruno Marques disse...

Eu percebi. :) Todos somos diferentes e isso reflecte-se também na escrita. E eu também gosto muito de ler o que o Pedro escreve,

Obrigado pelos elogios e fiquei no mínimo sensibilizado. Adorei a classificação de "jardineiro citadino". Gostei mesmo. Vai ficar para sempre...:)

Anónimo disse...

Nem imaginas o quanto fiquei feliz com as tuas palavras. Chegaste lá! Também estou sensibilizada, por isso fico-me por aqui. you know! Força! bjs

JRS disse...

sim e sim